sexta-feira, 22 de março de 2013

Rubber - 2011



Senso de humor e culhões resumem a personalidade do diretor Quentin Dupieux a mente por trás de "Rubber".

Por que culhões? Alguém já assistiu um diretor e roteirista colocar como protagonista um pneu ou algo do tipo? Esta certo que existem pérolas sensacionais como "Biscoito Assassino" e "A Camisinha Assassina", mas esses tem o foco principal no gênero trash; não que "Rubber" não possa ser rotulado da mesma forma, mas o diretor transmite sutileza plastica em seus enquadramentos e ainda brinca com algumas linguagens cinematográficas, transformando assim a exibição da película em algo no minimo curioso.

Inicio de projeção; deserto americano, muito sol e algumas cadeiras no caminho, o carro de policia para e o policial conversa com com o espectador, ele tenta passar a mensagem que vários clássicos da sétima arte não se explicam, fique com um trecho do monologo abaixo

No filme de Steven Spielberg, "E.T.", por que o extraterrestre é marrom? Nenhuma razão.
Em "Love Story", por que os protagonistas se apaixonam perdidamente? Nenhuma razão.
Por que não podemos ver o ar ao nosso redor? Nenhuma razão.
Por que estamos sempre pensando? Nenhuma razão.

Logo após um grupo de pessoas recebem binóculos para acompanhar a exibição do "filme"; e assim nos tornamos mais uma pessoa desse grupo e acompanhamos o "pneu" acordar e se descobrir como "gente", é difícil explicar(hehe), ele vai rodando pelo deserto e se desobrindo. Nosso amigo borrachudo(hehe) tem personalidade e após passar por cima de alguns objetos ele se encontra com uma garrafa de vidro, e estranha não conseguir amassar aquele objeto, então ele para, "pensa" e descobre seus poderes paranormais; após uma "tremidinha" o borrachudo consegue explodir a garrafa. Esse poder evolui e ele aprende explodir cabeças de animais e humanos.

A personalidade do pneu esta formada, se trata de um serial killer, que dorme, assiste tv, se apaixona por uma garota deliciosa e por que não um banho de chuveiro e até de piscina?

A crítica ao estilo de vida Americano e a homenagem aos filmes de assassinos psicopatas são alguns dos tópicos por onde o roteiro passeia. Bela fotografia e boas atuações do elenco "humano". Destaque para a beleza de Roxane Mesquida que desperta paixão platônica no borrachudo e em nós meros espectadores.

"Rubber" é uma brincadeira seria, cinema conceitual que foge do comum!



Nenhum comentário:

Postar um comentário