quinta-feira, 12 de março de 2015

A Fúria do Justiceiro: Ação para quem têm bolas!


Título: A Fúria do Justiceiro (Stone Cold) - 1991
Diretor: Craig R. Baxley
Roteiro: Walter Doniger
Elenco: Brian Bosworth, Lance Henriksen, William Forsythe, Arabella Holzbog


Porra cara, eu vou começar o assunto de novo, porque se torna inevitável após assistir "Stone Cold". Qual a diferença entre o cinema de ação da velha escola e o cinema de ação da nova geração?

Em uma única palavra: Bolas! Antigamente os roteiristas, diretores e atores tinham culhões. E já que estou escrevendo sobre essa produção protagonizada pelo fodão Brian Bosworth, eu deixo outra pergunta. Porque atores badass como o próprio Brian não emplacaram na carreira?


São perguntas que jamais serão respondidas, inclusive isso acontece até hoje, tenha como exemplo o Johnny Strong que protagonizou "Santos e Pecadores", um dos melhores filmes de ação da atualidade.

"Stone Cold" foi lançado em VHS em terras tupiniquins com o singelo nome de "A Fúria do Justiceiro", reparem que até as distribuidoras nacionais contribuíam para a "testosterona em alta voltagem" que esses filmes proporcionavam.


A história coloca um policial durão infiltrado em uma violenta gangue de motoqueiros. Nada mais que isso, direto ao ponto, sem firulas. É clichê pra caralho, mas funciona, ainda mais quando você tem como vilão Lance Henriksen e como mocinho Brian Bosworth, um sujeito enorme, loiro e canastrão. Inclua uma gostosa no pacote, leia-se, Arabella Holzbog e um capanga do porte de William Forsythe. A receita infalível para chutar bundas!


As cenas de ação seguem a risca o padrão da época, com explosões, pancadarias e tiroteios em profusão que mantém o clima bad ass durante toda a projeção, culpa do diretor Graig R. Baxley que soube gastar os 17 milhões disponibilizados para a produção da película - que infelizmente faturou apenas 9 milhões de dólares em solo americano. Talvez por esse prejuízo o personagem Joe Huff, não tenha ganhado outras continuações.

"A Fúria do Justiceiro" é um tesouro da melhor época do cinema para machos, uma aula de personagens fodões com atitudes bad ass.






segunda-feira, 9 de março de 2015

Projetor perdido: Bad Company - Maus Companheiros


Aos amigos leitores trago novidades! Estreia mais uma série nesse humilde blog, em "Projetor Perdido" trarei para vocês filmes obscuros e de baixo orçamento que passaram despercebidos pela maioria dos cinéfilos.

"The Nature of the Beast" foi lançado no Brasil como "Bad Company - Maus Companheiros" e tem em seu elenco Eric Roberts e Lance Henriksen em uma jornada cheia de suspense pelo deserto dos Estados Unidos.

O roteiro foca apenas em dois personagens que passam em grande parte da película na estrada - podendo classificar "Bad Company" também como um road movie. O roteiro aposta na construção de personagens, onde não existe vilão e não existe mocinho. Um macabro jogo psicológico que amarra a mente do espectador até a ultima cena. Vale destacar que a direção/roteiro ficou a cargo de Victor Salva, que mais tarde lançaria os aclamados "Energia Pura" e "Olhos Famintos". Lembrando que Roberts e Henriksen estavam no auge de suas carreiras e apresentaram atuações explosivas.

Todos esses elementos fazem de "Bad Company - Maus Companheiros" um daqueles tesouros perdidos em locadoras.



Ficha técnica
Título: Bad Company - Maus Companheiros (The Nature of the Beast) - 1995
Direção: Victor Salva
Roteiro: Victor Salva
Elenco: Eric Roberts, Lance Henriksen, Brion James


Trailer




Melhor cena do filme (spolier)






quinta-feira, 5 de março de 2015

Os Fora da Lei: Caipiras assassinos, gangue de gostosas e índios motoqueiros


Título: Os Fora da Lei (The Baytown Outlaws) - 2012
Diretor: Barry Battles
Roteiro: Barry Battles, Griffin Hood
Elenco: Clayne Crawford, Travis Fimmel, Daniel Cudmore, Billy Bob Thornton, Eva Longoria, Zoe Bell, Agnes Bruckner


A popularização do estilo "tarantinesco" está infestando o mercado de títulos que gritam "quero ser cool" e consequentemente vários diretores caem na armadilha do "parece fácil mas não é".

A receita é a seguinte; pegue um roteiro simples com personagens "pirados", introduza diálogos pseudo-inteligentes, inclua mulheres gostosas e não esqueça da trilha sonora rock and roll, sem esquecer do principal ingrediente, a violência. Mas não esqueça de desenvolver os personagens...opa! Ai está a armadilha do gênero.


Em "Os Fora da Lei" o diretor Barry Battles acertou em vários pontos entregando um filme que soa como um "road movie para quem tem bolas". O roteiro foca na missão de três irmãos caipiras (que ganham a vida exterminando pessoas), de resgatar um moleque deficiente físico das garras de um chefão do crime e leva-lo ao outro lado do estado para o encontro de sua contratante. Excelente! O roteiro coloca três malucos ignorantes e insensíveis para viajar por estradas perigosas com um adolescente que além de deficiente é retardado...

Você já deve estar imaginando o que acontece. É lógico que os irmãos vão se sensibilizar com a situação do moleque e vão perder toda personalidade "badass" que o diretor construiu no início da película e ai está o grande furo do filme que tinha tudo para chutar bundas...Até porque não é em qualquer produção que exibe uma gangue de putas fortemente armadas, índios motoqueiros fortemente armados e neo-piratas da estrada também fortemente armados. hehe


As cenas de ação são eficientes, apesar do diretor acionar o freio em muitas sequências que poderiam ser mais sangrentas. Sem esquecer de destacar o humor ácido presente no decorrer de toda a projeção.

O elenco conta com nomes conhecidos entre eles o genial Billy Bob Thornton e as deliciosas Eva Longoria, Zoe Bell e Agnes Bruckner. Os irmãos assassinos e caipiras ficaram a cargo Clayne Crawford, Travis Fimmel e Daniel Cudmore, todos com atuações que conquistam facilmente o espectador.

"Os Fora da Lei" é uma película que merece ser vista, até porque entre tantos "tarantinescos" genéricos, esse aqui acerta e convence, mas poderia ser mais...bem mais!