terça-feira, 22 de abril de 2014

Tralhas que você não conhece: A Camisinha Assassina


Você pode não acreditar, mas esse filme realmente existe e pasme, foi baseado em uma HQ do cartunista (maluco, no mínimo) alemão Ralf Köning.

"Kondom des Grauensou" ou se preferir "A camisinha Assassina", rapidamente se tornou um clássico trash, inclusive foi lançando em VHS em terras tupiniquins.

A sinopse, como era de se esperar, é totalmente sem noção!

"Após perder um dos testículos para a temível camisinha assassina, o detetive homossexual Luigi Mackeroni tenta eliminar a ameaça de látex, criada por uma seita de loucos que querem eliminar os tarados de Nova Iorque."

A Troma é a produtora por trás dessa tralha que possui todos os ingredientes de um bom trash: gostosas, policiais travestis, diálogos estúpidos, e camisinhas com dentes! hehe

Assista essa tralha completa em versão dublada


Trailer


Ficha técnica
Título: A Camisinha Assassina (Kondom des Grauens) - 1996
Direção: Martin Walz
Roteiro: Ralf Köning
Elenco: Udo Samel, Peter Lohmeyer, Iris Berben












domingo, 20 de abril de 2014

Noé: A filosófica arca de Aronofsky


Título: Noé (Noah) - 2014
Diretor: Darren Aronofsky
Roteiro: Darren Aronofsky
Elenco:  Russel Croew, Jennifer Connelly, Anthony Hopkins, Emma Watson

Posso classificar "Noé" como o primeiro blockbuster de Darren Aronofsky, o maior desafio do diretor em sua excepcional carreira que tem como destaque os premiados "Cisne Negro" e "O Vencedor". O grande dificuldade aqui era manter a linha filosófica com uma linguagem popular e inteligente, sem perder as características religiosas da história.

Se ele conseguiu? Certamente! Todos os elementos que o diretor já havia explorado em seus filmes anteriores estão presentes de forma acessível, pronta para agradar qualquer tipo de público.

A trama conta a história de Noé, um homem que recebe a missão divina de construir uma arca para salvar toda a criação de Deus de um diluvio que colocará fim a vida humana no planeta. Achou piegas?


Logicamente quem não é cristão encara a história como fantasiosa e até esquizofrênica, e foi essa linha explorada pelo roteiro (também assinado por Aronofsky). A batalha psicológica e espiritual que o personagem de Noé (Russel Crowe) sofre ao tomar decisões difíceis, vão de encontro ao caráter do personagem - que durante a projeção é amado e odiado pelo público por consequência de seus atos "divinos".

Como já era imaginado, Aronofsky usa e abusa do CGI (de alta qualidade) para as cenas de catástrofe, inclusive utilizando esses efeitos para compor personagens mitológicos - que possuem papel fundamental na trama.

O elenco é recheado de bons nomes, com destaque para Russel Crowe, que não perdeu o jeito de encarnar personagens históricos, em mais uma atuação de alto nível. A hipnotizante Jennifer Connolly aparece como Naameh, a esposa de Noé, um trabalho seguro e sem erros. O elenco de apoio conta com Ray Winstone, Anthony Hopkins, Logan Lerman e Nick Nolte, com atuações dignas e sem exageros.


Calma! Não esqueci da Emma Watson. Essa merece umas linhas de destaque por todo o hype exagerado em cima da moça. Eu me pergunto o que o público viu nessa garota? É uma boa atriz, nada além disso! A atuação da moça é semelhante a de Kristen Stewart em seus piores papeis, além da semelhança física que aqui está gritante.

"Noé" caminha sem tropeços na linha que divide os cinéfilos mais exigentes do espectador casual. É recheado de drama, aventura, guerra e filosofia. Questionamentos da veracidade da história serão feitos antes, durante e depois da projeção, ou seja, "Noé" é acima de tudo, polêmico!